O FUTEBOL BRASILEIRO AINDA ACEITA TUDO!

Quem me conhece sabe que eu nunca tive medo de dizer o que penso… Sempre fui assim… acho que puxei minha mãe. Digo o que penso por várias razões: 1) Não sei agir de outra maneira; 2) Creio que a verdade, por mais dura que possa ser, já traz em si mesma um consolo pelo simples fato de ser… verdade; 3) Quero um mundo melhor e a verdade é um dos pilares para a sua construção; 4) Não devo absolutamente nada a ninguém, não tenho rabo preso, nem telhado de vidro… Então, sou livre para me expressar sem nenhum medo, apenas tendo o cuidado de ser sempre honesto e verdadeiro… muitas vezes até em prejuízo próprio! Basta acompanhar as nossas publicações aqui no site pra constatar isto. Enfim, sou mesmo um idealista e alguns dos meus amigos dizem que eu quero mudar o mundo…

Tenho sim, buscado com extrema dedicação a capacitação para a área da gestão do futebol, reconhecidamente a maior carência desta modalidade em nosso país. Busco somar, à minha experiência prática de muitos anos atuando no campo como preparador físico, a formação acadêmica e como professor universitário, estudioso do futebol, inúmeros cursos de alto nível, escrevendo e publicando na área, a disposição pela busca incessante por uma capacitação técnica continuada, reflexão, debate, construção do conhecimento… Fiz neste ano de 2017 nada menos do que 6 cursos da mais refinada excelência da WFA – World Football Academy (Brasil, Holanda e Portugal) que foram simplesmente revolucionários para a minha vida e minha visão do futebol. Imersão total com mais de 40 nerds do futebol de todo o mundo com dias em as aulas foram de oito da manhã à meia-noite! Indescritível! Revolucionário!

Promovi, desde a Copa/2014, uma série de debates sobre os graves, profundos e históricos problemas estruturais de nosso futebol. Tenho dado a cara a tapa, sem apoio de ninguém… Botado o dedo na ferida em temas delicados que muita gente não tem a coragem de debater abertamente. Minhas colocações atingem alguns poderosos do mundo da bola e, embora eu não tenha nenhuma questão pessoal (com exceção de um desafeto declarado), estes acabam levando para o lado… pessoal… e aí eu sou meio que mal visto por essa turma… pois sou uma ameaça ao status quo, mesmo não sendo detentor de poder, apenas das minhas palavras e do meu ideal!

Tenho visto, aplaudido e apoiado os esforços de algumas entidades como a ABEX, a Universidade do Futebol, a Universidade Federal de Viçosa, o extinto Bom Senso FC… até mesmo a própria CBF Academy, por meio de seus cursos de capacitação (embora sua cúpula político-administrativa não queira mudanças nas questões relativas ao poder) na busca por um futebol melhor, mais justo, mais decente, mais inteligente, mais bem gerido, com um melhor nível de capacitação de seus profissionais. Não sou e nunca fui corporativista: Elogio e critico com a mesma naturalidade de acordo com o que considero certo ou errado (o que não é culturalmente muito bem aceito aqui no Brasil… é tudo muito político, polido, bajulador, na base do “ficar bem na fita”… não dizer certas verdades para não se comprometer)… Não é à toa que sou fã do Tostão e de suas crônicas sem melindres, sem concessões políticas ou por conta de amizades, demonstrando sua total independência!

Bato insistentemente nesta tecla: “GOSTAR” de futebol, ou ter JOGADO futebol, não é sinônimo de “ENTENDER” de futebol! Gestão do futebol, mais especificamente na figura do Executivo de Futebol, não é apenas uma mera função de se contratar e dispensar atletas e comissões técnicas! Antes, passa pela gestão de processos cada vez mais minuciosos voltados para a gestão de pessoas, na tentativa de se criar, através da CREDIBILIDADE, ambientes de segurança e confiança para sua comissão técnica, grupo de atletas, funcionários, diretoria, etc… saber agir com discrição e cautela, assim como também com intrepidez e arrojo quando necessário (expertise de meu saudoso amigo Eduardo Maluf!), e ainda ser conhecedor e entusiasta dos procedimentos relativos às ciências do esporte, da busca pelo conhecimento de excelência aplicado ao futebol em prol da melhor performance possível… Ou seja, é preciso PREPARO! CAPACITAÇÃO! FORMAÇÃO! ESTUDO! CAPACIDADE DE RELACIONAMENTO INTERPESSOAL! HONESTIDADE! RETIDÃO! CREDIBILIDADE! INTELIGÊNCIA…  

Bem, levei cinco parágrafos para chegar até aqui porque tem causado perplexidade a nós da ABEX a avalanche de ex-atletas sendo efetivados na área da gestão em vários grandes clubes do nosso futebol nesta virada de 2017-2018. 

Por uma questão meramente política ou, quem sabe, até mesmo por interesses nebulosos – aí estão os grandes vícios do futebol brasileiro – a esfera política permanece absolutamente onipotente em relação às esferas técnica e gerencial remunerada. Vemos os dirigentes estatutários, torcedores apaixonados e abnegados, mais uma vez: Confundindo “gostar” com “entender”, preterindo vários profissionais com CAPACITAÇÃO TÉCNICA e promovendo, isto sim, a mera IMAGEM, representada pelos ex-atletas… ou seja, ao invés de investirem em qualidade de gestão, na racionalidade de projetos consistentes para construção de um ciclo virtuoso de médio e longo prazo que venham a promover a sustentabilidade do clube, só conseguem enxergar o aqui e agora dos resultados imediatos, gastando o que não podem, investindo em NOMES/IMAGEM para se blindarem, para satisfazerem torcida, conselho e mídia como meio de se alcançar a estabilidade política…  

O fato é que, geralmente, os ex-atletas são profissionais sem estofo técnico ou acadêmico, sendo que, historicamente, a grande maioria deles é alienada e pouco afeita aos estudos, possuindo assim um baixo nível de escolaridade. Logicamente que, a experiência como atletas traz algo de útil como, por exemplo, a familiaridade com a cultura do futebol, com o ambiente de vestiário, etc., mas ainda é muito pouco para tal cargo. É certo que as exceções existem, mas aprendi que estas nunca devem ser tomadas com o propósito de se justificar ou tentar provar uma tese… como o próprio significado da palavra e seu antônimo já demonstram: exceção x regra…    

Guardadas as devidas ressalvas e proporções, o modelo vigente no futebol (com as devidas exceções) é similar ao modelo político-partidário que tem gerado uma inegável onda de rejeição, de asco mesmo!, na população mais esclarecida em relação aos políticos mafiosos de Brasília!

Bem, não há ilusões: essa luta por um melhor futebol é dura e desigual! Quase impossível de ser vencida! Batendo novamente em outra tecla: A legislação esportiva brasileira precisa ser modernizada urgentemente! Ela é da década de 1940, Getúlio Vargas, Estado Novo, flertando com o fascismo e claramente atendendo e blindando a uma estrutura de poder coronelista cujo objetivo precípuo sempre foi, na prática, apenas garantir sua perpetuação no poder, sem prestação de contas, sem transparência, sem atender ao propósito lógico e natural que deveria ser: Fomentar o desenvolvimento e modernização do futebol em todas as suas estruturas, inibindo a corrupção e desvios de finalidade de seus propósitos e recursos…

E assim continuamos a ter uma CBF milionária, Federações Estaduais sem muita utilidade prática a não ser a fiel obediência de voto para manutenção da cúpula e das estruturas de poder da Confederação, clubes submissos/subservientes com estrutura político-administrativa e arcabouço jurídico também ultrapassados e ineficientes com seus pré-históricos conselhos deliberativos elegendo seus dirigentes estatutários, que são na verdade nada mais do que meros apaixonados… De novo: GOSTAR é diferente de ENTENDER!

É a esfera política arcaica se mantendo toda poderosa em relação às esferas administrativas e técnica em todas as instâncias! Ou seja, quem manda não entende, ou não é do ramo, ou não se preparou… ou tem apenas habilidade política, ou apenas foi indicado/apadrinhado, chegou, “caiu de para-quedas”, foi se entranhando no poder, ficou e não larga o osso por nada neste mundo, contando sempre com a conivência e cumplicidade de governantes, autoridades e políticos da nefasta “Bancada da Bola”, disposta a fazer todo tipo de jogo sujo e de pressões por anulação/afrouxamento dos REFIS da vida, de socorro daqui e dali… Tudo uma questão meramente de política, de PODER! Definitivamente não abrem mão dele e o interesse real não é por um país e um futebol melhor, FATO!, mas sim o de preservar a boquinha!

Querem exemplos mais claros de um país onde a classe política do esporte que não se emenda como, por exemplo: a indecente eleição por aclamação de Adriano Aro, membro da nefasta dinastia que dominou a FMF por décadas, para presidente da mesma?! Ou o caso Nuzman? Ou Del Nero, Marin, Teixeira…?! Tipo: Quando você pensa que não tem como ficar pior a história simplesmente se repete…

E assim… vamos que vamos neste Brasilzão sofrido e que não anda! Não avança! O país de um eterno futuro que nunca chega! Reflexo da sociedade passiva, pouco instruída e da classe política mafiosa/ criminosa que nos amaldiçoa! Suspeito até, que, não está longe o dia, em que, o povo, em fúria, acabará por cercar e invadir a câmara e o senado sob risco de linchamento em massa de “Suas Excelências” pendurando-os um a um de cabeça para baixo nas galerias, a exemplo das impressionantes imagens da época que mostram o que fez o povo milanês com Mussolini e sua amante, Claretta Petacci, em 1945 na Piazzale Loreto em Milão… Não estou dizendo que desejo algo assim, mas… quem semeia… colhe!… e as redes sociais estão aí revolucionando e conscientizando a população em relação à classe política. Inequivocamente, estamos cada vez mais próximos do ponto de ruptura!

Desejo uma multiplicação e todos os desdobramentos subsequentes possíveis de operações como a Lavajato em todas as áreas, inclusive no futebol… certamente que iriam faltar tornozeleiras!…

No mais, continuarei em minha busca contínua por capacitação com o propósito de me tornar mesmo um “foda” da área da gestão do futebol até que um dia venham a perceber que eu posso ser sim, junto com muitos outros colegas, mais uma mente útil e confiável na necessária transformação em busca da excelência para o futebol brasileiro! 

Saudações!

 

CEPERF – Gestão de Excelência no Futebol, fundamentada nas Ciências do Esporte!

 

Share Now

Related Post

2 Comments

    • Leonel Moura Teixeira
      outubro 5, 2017
      21:23

      Excelente artigo, Professor Francisco!
      A analogia, beirando uma paródia, do futebol em relação à política, exprime exatamente aquilo que penso…
      Quando deixarmos de ser como somos na política, encontraremos o caminho nas outras áreas, futebol inclusive!
      Oxalá vivamos o suficiente para ver…

      Reply
      • FRANCISCO FERREIRA
        outubro 6, 2017
        16:02

        Obrigado pelo apoio Leonel! Estamos juntos nesta luta por um futebol e um país melhor! Abraço!

        Reply

Escreva seu comentário